Cada vez mais dispostas a receberem residentes fixos durante o período de baixa temporada, as praias gaúchas vêm oportunizando, dia após dia, soluções que garantam qualidade de vida, segurança e infraestrutura aos moradores da região que mais cresce demográfica e economicamente no Estado. Neste sentido, em um cenário de aumento vertiginoso dos índices de violência na maior parte das cidades brasileiras, um município litorâneo gaúcho vem se destacando, nos últimos meses, por políticas públicas que resultaram em uma queda de 40% no número de assaltos ao longo de 2018. Trata-se de Capão da Canoa, que instalou 165 câmeras de monitoramento e substituiu outras 15 já em uso, garantindo tranquilidade a veranistas e moradores.

A iniciativa, que integra uma série de movimentos promovidos pelos municípios da região para garantir melhores condições aos seus moradores, deverá ser modelar para ações semelhantes em outras praias do entorno, conforme apurou reportagem do jornal Zero Hora. Presidente da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte), o prefeito Amauri Magnus Germano (PTB) pretende transformar Capão da Canoa em uma espécie de central regional. “Passa mais segurança aos moradores e a quem vem para o veraneio. Queremos que os municípios cresçam juntos”, afirma. Em Capão, as ruas são monitoradas 24 horas por dia, a partir do prédio da Prefeitura. Os equipamentos estão espalhados por locais como orla, acessos principais, vias centrais com maior movimento comercial, praças, escolas e postos de saúde.

Outras cidades da região já têm monitoramento por câmeras, ainda que em escala mais incipiente: Xangri-Lá (18 câmeras), Imbé (16 câmeras), Tramandaí (22 câmeras) e Torres (22 câmeras) são alguns dos exemplos de preocupação com a segurança dos moradores, em um trabalho gradativo que deverá ganhar reforços nos cercamentos eletrônicos nos próximos meses. Segundo o gestor comercial da CP Imóveis Litoral, Alessandro Andrades, esta é uma prática semelhante à que já ocorre no mercado imobiliário da região, em que cada vez mais condomínios utilizam-se de câmeras para reforçar a segurança e garantir tranquilidade às famílias. “Há um movimento migratório muito significativo de famílias oriundas de Porto Alegre e de outras regiões do Estado para o Litoral, onde há uma série de vantagens para uma vida social e economicamente ativa e, ao mesmo tempo, mais segura e feliz”, destaca Andrades.

Além da carta completa com dezenas de condomínios amplamente seguros e espalhados por todo o Litoral Norte, em praias como Xangri-lá, Capão da Canoa, Capão Novo e Torres (confira em http://www.cpimoveis.com.br/condominios), a CP Imóveis dispõe, nos mais diferentes balneários gaúchos, de outras opções extremamente seguras, confortáveis e acessíveis – em média, as áreas nobres das praias gaúchas têm um metro quadrado bem mais acessível do que os bairros mais caros da Capital, por exemplo. “Destacamos, ainda, que residir com segurança não é um privilégio exclusivo de grandes empreendimentos, e o Litoral oferece muitas opções com excelente custo-benefício neste aspecto”, conclui o gestor comercial da CP Imóveis Litoral.

Assim como o Litoral Norte gaúcho está fazendo escola para todo o Brasil na área da segurança, os condomínios e as variadas opções de imóveis nesta região também são modelares para um novo cenário no mercado imobiliário do Rio Grande do Sul. Seguros, amplos, preocupados com o convívio social e com o bem-estar dos moradores e visitantes, os imóveis de praias como Capão da Canoa, Xangri-Lá, Capão Novo e Torres estão em um lugar de vanguarda em seu segmento no Estado. Visite a nossa CP Litoral e saiba mais!